Comportamento
Ferramentas

É natural diminuir o ritmo no começo, mas é preciso criar oportunidades para manter a chama acesa

Nos primeiros meses depois do nascimento do bebê, é normal a vida sexual dos novos pais diminuir o ritmo. Entre fraldas, cólicas e mamadas, quem é que vai pensar em sexo? Além do cansaço, existe uma explicação fisiológica para a diminuição da libido na mulher. “A influência da prolactina, hormônio responsável pela produção do leite, reduz o desejo sexual da mãe”, afirma a obstetra e sexóloga Carolina Ambrogini, coordenadora do Projeto Afrodite, da Universidade Federal de São Paulo.

A lubrificação vaginal também fica comprometida por causa da ação dos hormônios, o que pode causar um pouco de dor durante o ato sexual. A natureza é sábia: todas essas mudanças acontecem porque o recém-nascido necessita da atenção total da mãe para se desenvolver. Assim sendo, ela não pode engravidar. Além disso, o casal está se adaptando aos novos desafios de ser pai e mãe. Um bebê traz muita alegria à família, mas sentir medo e angústia também é natural. Nessa fase, só resta ter paciência. “O casal deve conversar muito para esclarecer tudo o que estiver sentindo”, diz Ambrogini. “Caso contrário, o homem pode achar que a mulher não o quer mais e vice-versa.”

Mas quando, afinal, as coisas vão voltar à normalidade? Não existe uma resposta precisa, pois cada casal tem o seu tempo. Só não dá para ficar o primeiro ano do bebê sem transar e achar que está tudo bem. Pois, se para as mães o maior obstáculo é a falta de tempo, a principal reclamação dos pais é o sexo ficar em último lugar na lista de prioridades da mulher. Por isso, nada de se acomodar. “A mãe precisa cuidar de si, ir ao salão, colocar uma lingerie bonita. Só assim ela vai voltar ao papel de mulher novamente”, diz Ambrogini.

Já ao pai cabe ser compreensivo, porque nenhuma mulher se sente atraente com os quilos a mais que sobraram da gravidez. Mas pare de se cobrar tanto: pode ter certeza de que, para ele, você continua linda.

Marque na agenda

Aos poucos, o dia a dia com o filho vai se tornando mais fácil. Para não esquecer o sexo de vez, no entanto, o jeito é criar situações que possam facilitar esse “encontro”. Nem que seja necessário anotar o compromisso na agenda (isso mesmo). Mas vocês vão precisar de uma rede de apoio. Peça ajuda à família, amigos ou empregados e torne essas escapadas a dois um hábito (uma vez por mês é melhor do que nada!). Não deu para sair? Tudo bem. Faça um jantar romântico na sala de casa mesmo. Só não vale ficar o tempo todo falando sobre crianças e afins. Por último, não custa lembrar: o bebê deve ter hora e local certo para dormir. E não é no quarto do casal!

Artigos Relacionados

Ter Filhos do Sexo Masculino Pode Encurtar a Expectativa de Vida das Mulheres Ter Filhos do Sexo Masculino Pode Encurtar a Expectativa de Vida das Mulheres
Mulheres que dão à luz meninos pode ter vidas ligeiramente mais curtas do que as que têm meninas, pesquisadores descobriram. O estudo mostrou...
Sexo na Gravidez Sexo na Gravidez
Tudo o que você queria saber, mas tinha vergonha de perguntar Foram meses de prática, sem a preocupação de usar camisinha ou...
Olha o Passarinho! Olha o Passarinho!
Dicas para fotografar o seu filho “Aproveita, vai passar rápido!” O conselho dado a todos os pais e mães com um recém-nascido no colo tem...
As Últimas Novidades Sobre Sono As Últimas Novidades Sobre Sono
Garantir que o filho durma bem é um dos maiores desafios para os pais. Por isso, sempre surgem estudos novos sobre o assunto. Abaixo, você confere...